Conteúdos Bio

Matérias exclusivas sobre ingredientes, tendências e curiosidades sobre Nutrição e Saúde.

A saúde integral da criança e seus múltiplos fatores

Nestlé Faz Bem

Brincadeiras lúdicas, sono, apoio dos cuidadores e escolhas alimentares equilibradas são os pilares que constroem a saúde integral da criança

A saúde integral da criança e seus múltiplos fatores

A saúde integral da criança é reflexo de seus hábitos.

Há alguns anos, a OMS tem definido o conceito de saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas relacionado à ausência de doenças 1 . Ou seja, é preciso um equilíbrio entre diversos âmbitos da vida, de uma integração com o mundo, com a sociedade. A ciência da saúde e do bem-estar passa a ser multidisciplinar, levando em conta a qualidade de vida e a felicidade dos indivíduos, bem como os hábitos, o trabalho, as emoções, a saúde mental, o ambiente, as relações humanas e os estados físico e intelectual 2 .

Nesta matéria, vamos direcionar nossa atenção para os pequenos e mostrar que são vários os atributos que permeiam a saúde integral das crianças. Cada vez mais, estudos da área mostram que não se pode considerar a saúde infantil com base apenas no peso da balança, em seu Índice de Massa Corporal (IMC) ou no que ela come. É preciso atenção aos seus hábitos como um todo, que refletem diretamente nos estados de crescimento físico, cognitivo, social e emocional da criança. “Elas precisam brincar mais, se divertir. Para a nutricionista clínica materno-infantil, Helena Belloli, elas precisam desenvolver suas capacidades de socialização. “Hoje, a maioria das crianças passa grande parte do seu dia nas telas, smartphones, videogames, computadores, TVs e, com isso, acabam não desenvolvendo tanto as habilidades motoras e emocionais. Elas precisam brincar, aproveitar a infância de forma mais lúdica”, pondera.

O fortalecimento de vínculos familiares, nos mais diversos âmbitos, também auxilia na construção de hábitos saudáveis. O ambiente doméstico é crucial para definir os horários de lazer, de descanso, e o tipo de alimentação, por exemplo. Mesmo levando em conta a preferência alimentar, que é uma característica pessoal, a alimentação é diretamente influenciada pelas atitudes alimentares dos pais ou cuidadores 3;5 . “Nesse período de isolamento foi perceptível o quanto o ambiente influencia nas escolhas e no comportamento alimentar. As crianças estão ganhando mais peso e, em alguns casos, apresentando alteração nos exames bioquímicos. O ambiente escolar também se faz importante nessa jornada”, diz Helena.

A saúde e a alimentação

Comer é uma necessidade humana, mas a sobrevivência e a nutrição são apenas alguns dos seus muitos significados. “A alimentação está totalmente relacionada à promoção da saúde, uma vez que a função dos alimentos vai muito além de simplesmente saciar a fome. Uma alimentação adequada garante o aporte de nutrientes e o funcionamento adequado de todo o corpo”, afirma Helena. A comida pode ser fonte de saúde, diversão e lazer.

O início da relação com a comida se dá pelo aleitamento materno ou uso de fórmulas infantis. É nesta fase, também, que se inicia a relação afetiva entre a alimentação e a criança, através do seu cuidador. “É muito importante uma introdução de alimentos adequados, até pela formação do paladar que está acontecendo neste momento. O estabelecimento de hábitos alimentares saudáveis deve ser estimulado precocemente na vida da criança, já que a primeira infância é um período de rápido crescimento e desenvolvimento, e os pais possuem um importante papel nas escolhas alimentares”, afirma a nutricionista, especialista em adolescência, Elaine Pádua.

O excesso ou a escassez de calorias e nutrientes, bem como as relações conflituosas com a alimentação, representam um importante desafio para os cuidadores4. Quando demais, a comida aparece como algo que pode impactar o autocontrole e a autoestima das crianças. Quando de menos, a preocupação com o desenvolvimento físico e cognitivo é fonte de ansiedade e insegurança, mesmo que a quantidade seja reduzida apenas em comparação à expectativa parental. “O hábito alimentar tem a ver não só com a quantidade e a qualidade dos alimentos, mas no comportamento como um todo. Por isso, é importante não forçar a criança a comer. Introduza um novo alimento de uma forma mais discreta, fazendo com que a criança se sinta mais confortável em consumir”, diz Elaine.

“Costumo dizer que nada é proibido. O papel dos pais é nortear a vida dessas crianças para que possam fazer as melhores escolhas possíveis, respeitando a religião, as características individuais, valores, e sempre usando a família como grande exemplo, já que vão conduzir a formação desses hábitos saudáveis na infância e na adolescência, promovendo saúde, crescimento, desenvolvimento e ajudando na prevenção de doenças. Já o nutricionista tem um papel muito importante de orientar, facilitar a vida dessas famílias, e mostrar que muitas vezes, com atitudes simples e pequenas mudanças, já é possível conseguir grandes ganhos. Nossa missão é fazer com que percebam que essa consciência é fundamental para a qualidade de vida e formação de hábitos ao longo da jornada das crianças. O ideal é sempre trabalharmos em equilíbrio, de forma positiva e gentil”, completa Elaine.

O sono é outro ponto associado à saúde. Ter uma boa noite de sono, o que é importante para qualquer pessoa, especialmente quando se trata das crianças, é fundamental para o funcionamento do nosso organismo, pois é nesse momento que são liberados os hormônios do crescimento e a memória consolidada2. “O que temos percebido é que as crianças estão sentadas, muito mais tempo que o recomendado e, muitas vezes, não dormem como deveriam. Acabam não brincando, gastando energia e trabalhando todos esses pilares que são fundamentais”, afirma Elaine Pádua.

Avaliar a criança de forma isolada, sem levar em conta todas as interfaces que seu comportamento alimentar sofre, é ignorar o conceito de saúde estabelecido pela OMS. Portanto, pensar na criança como ser integral e considerar todos os seus estados, hábitos e sua relação com a alimentação é um caminho promissor para os profissionais da saúde.

Nestlé por Crianças Mais Saudáveis

Programa Nestlé Por Crianças Mais Saudáveis

O Programa Nestlé por Crianças Mais Saudáveis é uma iniciativa global que tem como compromisso ajudar 50 milhões de crianças a terem hábitos mais saudáveis ao redor do mundo. Aqui no Brasil, o programa já beneficiou 150 mil crianças diretamente e 11 milhões de forma indireta, através da promoção de 5 comportamentos saudáveis com pais e professores de escolas públicas: brincar ativamente, beber água, curtir as refeições com a família, comer com equilíbrio e de forma variada.

Referências:

  1. Organização Mundial da Saúde. Constituição da Organização Mundial da Saúde. Documentos básicos, suplemento da 45ª edição, outubro de 2006. Disponível em https://www.who.int/.
  2. Especialista explica porque o sono é tão importante durante a infância.19 de dezembro de 2019. Disponível em http://aliancapelainfancia.org.br/inspiracoes/especialista-explica-porque-o-sono-e-tao-importante-durante-a-infancia/ .
  3. Sociedade Brasileira de Pediatria – Departamento de Nutrologia. Manual de Alimentação: orientações para alimentação do lactente ao adolescente, na escola, na gestante, na prevenção de doenças e segurança alimentar. 4 ed. - São Paulo: SBP, 2018.
  4. The infant and kids study (IKS), 2015
  5. PETTY, et al. Nutrição Comportamental no atendimento de crianças e adolescentes. In ALVARENGA, et al. Nutrição Comportamental. Manole. São Paulo, 2015.