Conteúdos Bio

Matérias exclusivas sobre ingredientes, tendências e curiosidades sobre Nutrição e Saúde.

Nutricionistas como aliados contra o desperdício

Nestlé Faz Bem

Entre as orientações das consultas, é sempre possível incluir dicas e estratégias para evitar que alimentos acabem no lixo

Nutricionistas como aliados contra o desperdício

Por Estúdio Abril Branded Content

Um estudo divulgado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a Embrapa, aponta que, em média, uma família brasileira joga fora 353 gramas de comida todos os dias.[1] Se considerarmos outras etapas da cadeia, isto é, as perdas na colheita, na distribuição e no armazenamento, o montante é ainda mais preocupante.

No mundo, estima-se que, a cada ano, 1,6 bilhão de toneladas de alimentos são perdidos. Não à toa, o tópico de combate ao desperdício aparece no relatório elaborado pela comissão EAT – Lancet,[2] que é formada por um grupo de 37 cientistas liderados pelo professor de epidemiologia Walter Willett, da Universidade Harvard.

“Com o aumento da população mundial é preciso incentivar mudanças e estimular o consumo sustentável”, opina a nutricionista Lara Natacci, da clínica Dietnet, na capital paulista, que falou sobre o tema no 15º Congresso da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, a Sban, no ano passado.

A nutricionista Maristela Strufaldi, da Sociedade Brasileira de Diabetes, reforça a importância do aproveitamento integral. “A conscientização sobre o valor nutricional do alimento como um todo, assim como o impacto ambiental e sócioeconômico do desperdício, deve fazer parte da abordagem do nutricionista”, comenta.

Lara e Maristela destacam algumas estratégias que podem ajudar os pacientes a incorporar atitudes contra o desperdício no dia a dia.

Planeje o cardápio

Embora seja traço cultural do brasileiro o gosto pela fartura e a disposição por manter grandes estoques de comida, o que se prega hoje é comprar o mínimo possível. Daí que o primeiro passo para evitar o desperdício é, sem dúvida, um bom planejamento. A sugestão é calcular porções para uma semana, assim não haverá acúmulo. Considere o número de pessoas e o total de refeições que são feitas em casa.

“Procure programar as receitas usando um mesmo ingrediente, então, se vai fazer carne moída refogada no jantar, que tal preparar panquecas com as sobras no dia seguinte?”, sugere Lara. E não custa bater na tecla de evitar a monotonia, variando a composição do cardápio.

Faça a lista

Com o cardápio em mãos, dê uma geral na despensa e na geladeira para verificar o que realmente está faltando. Também vale seguir a velha dica de ir ao supermercado depois de comer. É que a fome pode favorecer o exagero nas compras.

Fique de olho na validade

Outro conselho que pode parecer batido, mas que sempre deve ser reforçado, é atentar ao prazo de vencimento dos alimentos. Alguns supermercados colocam em promoção os produtos que estão para vencer, daí que a tentação é encher o carrinho. Cuidado! Também vale comprar quantidades menores dos perecíveis.

Aposte em alimentos da época

Frutas e hortaliças da estação tendem a durar mais e, de quebra, têm preço mais baixo e são mais vistosas. Aliás, por falar em beleza, Maristela ressalta que vegetais de formas irregulares podem ser consumidos com tranquilidade. “Mas evite folhas escurecidas e com presença de degradação orgânica e fungos”, salienta.

Tenha cuidado ao guardar

Especialistas enfatizam que parte das perdas se dá pela má estocagem. Siga as instruções nas embalagens e separe o que vai ao armário e o que deve ser guardado em temperaturas mais baixas.

Na despensa, organize pela data de validade, deixando mais exposto o que está perto do limite. “Cuide da higienização, mantenha o local bem arejado, sem entulhar, e armazene em potes de vidro com etiquetas”, indica Lara.

O mesmo para a geladeira. “É importante cuidar da limpeza e evitar a lotação”, reforça. Vegetais devem ser lavados e bem secos, já que a umidade colabora para a deterioração.

Vale mandar ao freezer aquilo que não será consumido nos próximos dias, considerando o prazo de validade dos congelados.

Atente na hora de cozinhar

Cuidado para não errar a mão ao descascar vegetais e extrair metade do alimento. Também preste atenção ao rendimento da receita para não preparar porções extras.

Use todo o alimento

Sementes, talos, cascas e ramas são bem-vindos ao prato. “Oferecem fibras e podem compor recheios de tortas, sopas, pestos, patês, escondidinhos, entre outras preparações”, sugere Maristela. O programa Escolhas Certas (www.receitasnestle.com.br/programas/escolhas-certas) traz dicas de receitas simples e práticas para aproveitar bem os legumes.

Não dispense

Se o alimento passou um pouco do ponto, murchou ou escureceu, use a criatividade para reaproveitá-lo. Lara ensina a bater bananas passadas congeladas com mirtilo e transformá-las em um delicioso sorvete.

“Hortaliças murchas podem enriquecer omeletes, tortas, molhos e outras preparações”, sugere Maristela, que já organizou oficinas culinárias com seus pacientes.

Já o pão velho pode virar bruschetta, torrada, pudim ou a clássica rabanada. Só não vale usar aquele que embolorou.

Aproveite as sobras

“No caso do arroz que sobrou, é possível reinventá-lo com o acréscimo de vegetais como espinafre, brócolis, cenoura ou ainda misturá-lo com ovos”, indica Maristela.

O macarrão que veio de outra receita pode incrementar uma salada junto de tomate, atum, salsa e cebolinha.

“As opções para as carnes são muitas e vão desde desfiar e fazer uma versão acebolada para acompanhar a dupla arroz e feijão até servir como recheio de sanduíches, panquecas, tortas e sopas”, exemplifica a nutricionista.

A dica é abusar da criatividade na cozinha para se deliciar e combater o desperdício.

Referências:

  1. [1]Intercâmbio Brasil-União Europeia sobre desperdício de alimentos. Disponível em: [https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1105525/intercambio-brasil-uniao-europeia-sobre-desperdicio-de-alimentos-relatorio-final]
  2. [2]] Relatório da comissão EAT – Lancet. Disponível em: [https://eatforum.org/content/uploads/2019/04/EAT-Lancet_Commission_Summary_Report_Portugese.pdf]